domingo, 21 de outubro de 2018

PASSEIO DE PINÓQUIO.

No Instagram não tem:

Pum, meleca, pó nem lama,
Não tem a pilha de louça suja,
Nem o chato religioso que chama,
No domingo cedo que pede cama;

Não tem ainda:

O banheiro que precisa da faxina,
A conta atrasada na beira do aparador,
A meia largada na cama mais ainda,
A cara amassada do dia com dor;

Lá só tem então:

O lugar paradisíaco que chama a inveja,
A balada onírica que não fui convidado,
A comida glamourosa que a gula corteja,
O país distante que presente é no passado;

No Instagram:

A felicidade tem filtro e curtida,
A verdade congela, só o dedo corre livre,
Até onde a memória conectiva breca aturdida,
Para evitar que deprima mais ou melindre;

Ir para Pasárgada? Que nada!
Vou pro Insta das selfies mortais,
Das selfies de luxo vazio e cena criada,
Que me fazem rico ou pobre, mas real jamais!

sexta-feira, 19 de outubro de 2018

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

sábado, 13 de outubro de 2018

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

CARÊNCIA

A fala fecha,
A cara vira,
A fé abala,
O sonho expira;

O tom desanda,
A paz demanda
Sorriso fenece;
A alma padece;

Pelo meio se anda;
Abaixo se põe,
À margem se fica,
A placa não indica;

Apenas mudo,
Em ato e estado,
Nada está em tudo,
Não há recado;

Sinal rompido,
Espaço extenso,
Peito ferido,
Sofrer intenso.